quinta-feira, 2 de julho de 2020

Nossa Senhora visita Garabandal


Anunciada por São Miguel Arcanjo no dia anterior, 1° de julho, a Virgem Maria aparece pela primeira vez no vilarejo espanhol de San Sebastián de Garabandal em 2 de julho de 1961. Nesse dia, antigamente, festejava-se a Visitação de Nossa Senhora. A Mãe de Deus apresenta-se sob o título do Carmelo, confirmando assim a devoção que consagra o mês de julho a Nossa Senhora do Carmo, cuja festa se comemora no dia 16.

Nesse Domingo, depois do terço, as meninas desceram em direção a Cosio para receber os irmãos de Conchita, que chegavam de viagem. Mas no meio do caminho tiveram de voltar, pois o público que afluía à vila reconheceu-as pelas fotografias e não as deixaram ir mais adiante. As pessoas que as viam, lhes faziam agrados dando-lhes presentes: balas, bombons, bolo, etc.

Todavia, como não encontraram os parentes que esperavam, decidiram voltar ao povoado, pois já estavam distantes. Pegaram uma carona com conhecidos até o povoado e de lá, caminharam para a “Calleja”. Encontraram as ruas abarrotadas de forasteiros, entre os quais, onze padres, vários médicos e um abade.

"Eram aproximadamente seis da tarde quando iniciamos a caminhada em direção à calleja, seguidas por todos. Mal começamos a rezar o terço, apareceu a Santa Virgem, ladeada por dois anjos. Um era São Miguel. O outro não conhecemos".

As visionárias de Garabandal tendo a primeira aparição de Nossa Senhora, em 2 de Julho de 1961

São Miguel. Ouvimos aqui, pela primeira vez, o nome do misterioso anjo que, ao longo dos 14 dias anteriores, conversava com as meninas. E hoje ele voltava escoltando a sua Rainha.

"Ambos vestiam da mesma maneira e pareciam gêmeos. Ao lado do anjo da direita, à altura da Virgem, vimos um olho de tamanho grande; parecia o olho da Deus".


* Aqui vale uma observação, pois este símbolo do "Olho de Deus" remonta séculos e tem origem na Santa Igreja Católica, o problema é que muitos confundem, para isto é preciso conhecimento histórico, porque existem muitíssimas igrejas espalhadas pelo mundo que comprovam que é um símbolo católico. Este "símbolo católico" foi e continua sendo usado por seitas, então é preciso discernimento neste detalhe.



A Virgem sempre carinhosa, deu espaço às crianças, que conversaram muito com Ela. As meninas alegres e desembaraçadas logo começaram a contar os seus “casos” a Nossa Senhora que ria muito com o jeito e as palavras delas. Depois, ainda de joelhos, rezaram o Terço diante da Mãe de Deus, e Ela, ia ensinando as crianças a rezá-lo de um modo melhor. Em seguida Ela Se limitava apenas a acompanhá-las em silêncio e, somente rezava o Glória a Trindade Santíssima. Terminado o Terço, a Virgem Se despediu das meninas. As crianças suplicaram que Ela ficasse mais um pouquinho. Ela sorriu e prometeu que voltaria na segunda-feira.

Felizes, sorridentes e saudosas, ficaram se lamentando pela ausência de Nossa Mãe Santíssima. Como sempre, algumas pessoas se aproximaram para beijar as meninas e queriam saber o que Nossa Senhora tinha falado. Elas muito felizes por terem vivido um momento tão especial, contaram tudo, inclusive que a Mãe de Deus ria muito com as palavras delas, quando descrevia os seus afazeres e as coisas que realizavam no dia a dia. Como sempre, muitos acreditaram e alguns não creram, achando que era impossível a Virgem proceder assim! Estes, com certeza, se esqueceram de que Ela é também a nossa Mãe.

"As pessoas" - conta ainda ," rodeavam-nos para abraçar e perguntavam o que ela tinha dito - ao menos algumas, porque a maioria não acreditavam no que falávamos. As que acreditavam diziam que era como uma mãe que não vê as filhas já muito tempo. E então as filhas contam-lhe tudo... Em seguida levaram-nos à sacristia, onde um padre chamado Francisco Odriozola nos interrogou individualmente".

A descrição da Mãe de Deus



"Ela vem com um vestido branco, manto azul e uma coroa de pequenas estrelas douradas. Não se vêem os pés. As mãos são afiladas, e no pulso direito usa um escapulário de cor marrom. O seu cabelo é comprido, castanho-escuro, ondulado e com um risco no meio. O rosto de forma oval, o nariz alongado e fino. A boca muito bonita, com lábios cheios. O rosto é de uma tonalidade levemente morena, porém mais clara que a do anjo. A sua voz é maravilhosa. Uma voz incomum, que não consigo descrever. Não há mulher que se pareça com a Virgem, nem na voz, nem em nada. Às vezes traz o Menino Jesus, bem bebezinho ainda, como um recém-nascido. Tem o rostinho redondo, da mesma cor que o da Mãe, uma boquinha pequena, cabelinho louro um tanto comprido e uma roupa em forma de túnica azul. A Virgem parece ter 18 anos".

Outros fatos notáveis

Durante a aparição deste mesmo dia, 2 de julho de 1961, "uma chuva de estrelas de repente começou a cair do céu em toda a Terra," provavelmente simbolizando a chuva de graças de Deus, da qual Maria é a "depositária". Ao mesmo tempo, "trinta e três grandes letras espanholas que soletram para fora seis palavras em espanhol", formaram um halo em torno Nossa Senhora:

O que estava escrito é chamado de "Secreto do Anjo", porque as videntes designam até hoje desta forma e nenhum livro ainda tem falado disso. As videntes não revelaram o que quer dizer. De acordo com os estudiosos, é muito provável que as "palavras secretas" estão relacionadas a um dogma mariano final, da qual o mistério da Visitação seria a sua base bíblica:

"MARIA DISPENSADORA DE TODAS AS GRAÇAS".

Desde sua primeira visita, a Virgem Maria levou o Menino Jesus em seus braços. Sua presença não foi explicitamente mencionada por Conchita em seu diário nesta data marcante, 2 de julho, mas a vidente, no entanto, descreveu aqui, sempre em seu mesmo modo muito concreto, vívido e reservado como de costume:

"Ele é muito, muito pequeno, como um recém nascido, um rosto redondo, mesma cor da pele da Virgem, uma boca pequena, bastante longa, cabelos cacheados loiro, mãos pequenas, um vestido como uma túnica azul. Ele está sempre sorrindo."

As visionárias de Garabandal: Mari Loli Mazón, Conchita González, Jacinta González e Mari Cruz González respectivamente. Apesar das três últimas meninas terem o mesmo sobrenome, não são parentes.

Fonte: https://www.apostoladodegarabandal.com/aparicao-de-n-senhora/http://apostoladosagradoscoracoes.angelfire.com/vigaral.html ehttps://www.facebook.com/groups/493384927454115/

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Poderosa oração


Eterno Pai Ofereço-Vos o Preciosíssimo Sangue de Vosso Divino Filho Jesus, em união com todas as Missas que hoje são celebradas em todo o mundo; por todas as Santas almas do purgatório, pelos pecadores de todos os lugares, pelos pecadores de toda a Igreja, pelos de minha casa e de meus vizinhos. Amém."


Ladainha em honra ao Preciosíssimo Sangue de Cristo



O texto desta litania em honra ao Preciosíssimo Sangue de Cristo foi composto pela Sagrada Congregação dos Ritos — hoje, Congregação para o Culto Divino — e promulgada pelo Papa João XXIII no dia 24 de fevereiro de 1960. A sua forma é mais antiga, na verdade, pois textos similares podem ser encontrados em livros de orações do início do século XX. Aos fiéis que a recitarem devotamente concede-se indulgência parcial.

Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Deus Pai dos céus, tende piedade de nós.
Deus Filho, redentor do mundo tende piedade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Sangue de Cristo, Sangue do Filho Unigênito do Eterno Pai, salvai-nos.
Sangue de Cristo, Sangue do Verbo de Deus encarnado, salvai-nos.
Sangue de Cristo, Sangue do Novo e Eterno Testamento, salvai-nos.
Sangue de Cristo, correndo pela terra na agonia, salvai-nos.
Sangue de Cristo, manando abundante na flagelação, salvai-nos.
Sangue de Cristo, gotejando na coroação de espinhos, salvai-nos.
Sangue de Cristo, derramado na cruz, salvai-nos.
Sangue de Cristo, preço da nossa salvação, salvai-nos.
Sangue de Cristo, sem o qual não pode haver redenção, salvai-nos.
Sangue de Cristo, que apagais a sede das almas e as purificais na Eucaristia, salvai-nos.
Sangue de Cristo, torrente de misericórdia, salvai-nos.
Sangue de Cristo, vencedor dos demônios, salvai-nos.
Sangue de Cristo, fortaleza dos mártires, salvai-nos.
Sangue de Cristo, virtude dos confessores, salvai-nos.
Sangue de Cristo, que suscitais almas virgens, salvai-nos.
Sangue de Cristo, força dos tentados, salvai-nos.
Sangue de Cristo, alívio dos que trabalham, salvai-nos.
Sangue de Cristo, consolação dos que choram, salvai-nos.
Sangue de Cristo, esperança dos penitentes, salvai-nos.
Sangue de Cristo, conforto dos moribundos, salvai-nos.
Sangue de Cristo, paz e doçura dos corações, salvai-nos.
Sangue de Cristo, penhor de eterna vida, salvai-nos.
Sangue de Cristo, que libertais as almas do Purgatório, salvai-nos.
Sangue de Cristo, digno de toda a honra e glória, salvai-nos.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, tende piedade de nós, Senhor.

V. Remistes-nos, Senhor com o Vosso Sangue.
R. E fizestes de nós um reino para o nosso Deus.

Oremos:
Todo-Poderoso e Eterno Deus, que constituístes o Vosso Unigênito Filho, Redentor do mundo, e quisestes ser aplacado com o seu Sangue, concedei-nos a graça de venerar o preço da nossa salvação e de encontrar, na virtude que Ele contém, defesa contra os males da vida presente, de tal modo que eternamente gozemos dos seus frutos no Céu. Pelo mesmo Cristo, Senhor nosso. Assim seja.

Fonte: Padre Paulo Ricardo

O Arcanjo anuncia a visita de Nossa Senhora


No sábado, 1º de Julho, às 19:30 horas, o dia estava bem claro em Garabandal, pois no verão o sol ainda não tinha se ocultado no horizonte. Muitas pessoas compareceram. Nesse dia o Anjo conversou com as meninas pela primeira vez dizendo:

 “Sabeis porque eu vim? Devo anunciar-vos que a Virgem Santíssima irá aparecer-vos amanhã como Nossa Senhora do Carmo."

Cheias de alegria, as quatro meninas exclamaram: “Que venha depressa!”

 São Miguel também, continuou trazendo o letreiro, que elas não sabiam o que significava. As meninas insistiram para que ele explicasse de que se tratava, mas o Arcanjo apenas lhes adiantou, que Nossa Senhora lhes explicará tudo. Ele estava sempre sorridente e vestia uma túnica azul larga, com as laterais em rosa claro, muito bonita, sua face era morena, nem larga e nem redonda, com o nariz pequeno e elegante, olhos negros, mãos muito finas com as unhas cortadas, mas os pés estavam ocultos. Terminada a Aparição, como das vezes anteriores, as meninas foram levadas para a Igreja e interrogadas, e sempre protegidas pelos jovens parentes e irmãos, que as resguardavam do indiscreto e impulsivo entusiasmo das pessoas, que sempre queriam se aproximar para conversar, fazer algum pedido e até para beijá-las.

Fontes: http://apostoladosagradoscoracoes.angelfire.com/vigaral.html, https://www.garabandal.it/pt/about/historia

Liberta pelo Sangue de Cristo


Anneliese Michel, "a verdadeira Emily Rose", disse que em julho de 1976, haveria "uma mudança" em sua vida. A jovem, possuída por seis demônios, faleceu na madrugada do dia 1° de julho de 1976, memória do Preciosíssimo Sangue de Cristo. Os demônios foram para o Inferno e Anneliese foi liberta deles e voou para o Céu junto de Deus...

Quarta-feira, dia de São José


A confirmação da prática da devoção a São José nas quartas-feiras se consolidou, sobretudo pelos incentivos dos papas, como por exemplo, do papa Inocêncio XII que em 1695 concedia indulgências aos membros da Confraria de São José que visitassem na quarta-feira a igreja dos carmelitanos descalços em Bruxelas. Já o papa Bento XIV concedia aos carmelitas descalços da Catalunha em 1745, a permissão de celebrar uma missa solene de São José toda quarta-feira do ano. Da mesma maneira o papa Clemente XIV autorizava aos mesmos religiosos celebrar uma segunda missa solene aos fiéis no mesmo dia. O papa Pio VII, em 1819, concedia indulgência para todas as quartas-feiras do ano a quem rezasse nestes dias as Dores e Alegrias de São José. No dia 5 de julho de 1883, o papa Leão XIII confirmava a quarta-feira como dia de São José em toda a Igreja com missa votiva correspondente. O papa Bento XV por ocasião do cinquentenário da proclamação de São José como Patrono da Igreja Universal enfatizava a importância da consagração de todas as quartas-feiras e dos dias do mês de março consagrados a São José.

Fonte: Templário de Maria

Memória do Preciosíssimo Sangue de Cristo


No início do mês de julho, queremos voltar a nossa atenção para uma devoção muito antiga, mas que, de uns anos para cá, tem caído no esquecimento dos fiéis de modo mais ou menos generalizado. Trata-se da devoção ao Preciosíssimo Sangue de Cristo. Fazemos, assim, eco ao desejo do Papa S. João XXIII, que, na Encíclica “Inde a primis”, escrita dois anos após sua eleição ao sólio pontifício, exortava os católicos do mundo inteiro a se “volverem com ardente fervor para a expressão divina da misericórdia do Senhor” (n. 1) que é o Sangue adorável que Jesus, num ato supremo de caridade, derramou pela nossa salvação. No n. 11 do mesmo documento, o Papa nos recorda pela boca de S. João Crisóstomo que, depois de termos comungado, saímos da mesa eucarística “quais leões expirando chamas, tornados terríveis ao demônio, pensando em quem é o nosso Chefe e quanto amor teve por nós” (In Iohann., homil. 46). Os demônios, com efeito, tremem diante do amor de Cristo, amor este que se expressou de modo excelentíssimo no derramamento do seu Sangue, o qual, se recebido dignamente sob as espécies eucarísticas, tem o poder de afugentar para longe de nós toda horda infernal e chamar para junto da nossa alma, inebriada de caridade divina, “os anjos e o próprio Senhor dos anjos”. A devoção ao Sangue de Cristo, nesse sentido, tem por objeto principal a caridade infinita com que Ele, entregando-se por nós até a morte, nos resgatou de Satanás e operou, por tantos e tão variados títulos, a nossa salvação: “Porque”, escreve S. Pedro, “vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo precioso Sangue de Cristo, o Cordeiro imaculado e sem defeito algum” (1Pd 1, 17ss). Precioso, sim, porque foi o preço que Deus mesmo se dispôs a pagar, a fim de resgatar-nos da escravidão do pecado e da sujeição à morte eterna. Pelo pecado, havíamo-nos tornado mancípios de Satanás; pelo Sangue de Jesus, fomos não só alforriados, mas também agraciados novamente com a liberdade de filhos adotivos do Pai. Que, ao longo de todo o mês de julho, e não apenas neste dia 1.º, possamos venerar com mais intensa devoção o Preciosíssimo Sangue do Filho de Deus encarnado, adorá-lo como toda a nossa alma durante a elevação do Cálice na Santa Missa e, com sentimentos profundos de reparação, honrá-lo diariamente pela récita de sua ladainha. — Sangue de Cristo, torrente de misericórdia, salvai-nos!

Fonte: Padre Paulo Ricardo